Programação de boas práticas em saúde do IdeiaSUS apresenta projeto de “peixamento” de Esperança

O projeto IdeiaSUS fruto da parceria entre Fiocruz, COSEMS e UFPB realizou hoje (22) à tarde, mais uma apresentação e sistematização de prática em saúde, acompanhada pela Curadoria em Saúde.

Hoje foi apresentada a prática: “O uso de piabas no controle biológico do Aedes Aegypti”, coordenada por Juarez Fernandes de Souza do município de Esperança com o apoio da gestora Eliete Almeida.

O autor da prática, ressaltou que em 2017 o município de Esperança chegou a quase 10,3% de suas residências com foco de mosquito Aedes Aegypti, devido a necessidade de manter reservatório com água.

Diante da situação do alto índice de dengue, a gestão do município decidiu realizar distribuição de piabas em reservatório abertos e fechados, caixas d’água e principalmente cisternas no intuito de eliminar o foco do mosquito. Com a presença das piabas os ovos não tem tempo para eclodirem para se transformarem em mosquitos, pois as piabas se alimentam desses ovos.

Neste sentido o projeto “peixamento” se encontra bem estruturado e tem sustentabilidade no âmbito municipal porque o método de controle biológico é de baixo custo e vem se mostrando eficaz na diminuição dos focos do mosquito na comunidade, cujo percentual caiu de 10,3% para 1,3%.

O especialista convidado da tarde foi Guilherme Franco Neto, especialista de CT&I em Saúde, Ambiente e Sustentabilidade da Fiocruz e destacou que o trabalho é muito potente e exitoso, sendo um exemplo não só para o Brasil, mas para o mundo e destacou que eles conseguiram criar palavras como “peixamento” como uma forma de dar significado à prática.

“Simplicidade na competência de desenvolver uma prática ecológica garantindo bem-estar e saúde num município com escassez de abastecimento d’água é a sabedoria popular ensinando bons hábitos a população. Parabéns Esperança!”, disse Claúdia Le Cocq da Fiocruz.

O COSEMS-PB parabenizou toda a equipe e principalmente a gestora Eliete pelo apoio e estímulo à equipe para desenvolver essa prática com tanta simplicidade, mas ao mesmo tempo com imenso impacto na gestão e vigilância em saúde no município.

0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

20 + cinco =