Saúde das Crianças

Outubro é o mês das crianças, então nada melhor do que pensar e cuidar da saúde dos pequenos. Afinal estudos mostram que doenças da vida adulta como obesidade, câncer, osteoporose, doenças do coração e diabetes normalmente resultam de escolhas alimentares erradas na infância.

Pelo menos 30% das crianças estão com sobrepeso, a taxa de obesidade infantil dobrou nos últimos anos e estima-se que uma a cada três crianças acima do peso irá desenvolver diabetes.

As necessidades nutricionais das crianças são altas, e o tipo de alimentação adotado nesta fase é muito importante para a saúde durante a vida. Pesquisas mostram que o hábito alimentar da infância nos indica o padrão de consumo do individuo na idade adulta e que a dieta dos pais influencia os hábitos alimentares dos filhos. Então a dieta da família deve ser saudável e variada.

É sabido que tanto o corpo como o cérebro em crescimento necessitam de nutrientes para seu melhor desenvolvimento. O desenvolvimento da criança pode ser comprometido pelo consumo excessivo de açúcar e comida muito processada. O consumo de alimentos industrializados, refinados, cheios de gorduras e aditivos químicos é prejudicial a saúde e desenvolvimento físico e cognitivo da criança. Estudos relacionam o hábito alimentar ao déficit de atenção e hiperatividade infantil.

O cérebro é em sua maior parte composto por gordura. Estudos mostram que déficit de atenção pode estar relacionado a deficiência de ômega 3, já que este possui em sua estrutura o DHA, que é necessário para o funcionamento do cérebro e pode ajudar as crianças a manterem a concentração. Além de ser importante para o desenvolvimento do cérebro, o ômega 3 atua ainda no crescimento e manutenção do coração, pele e articulações, bem como aumentando a resistência imunológica.

É comum que crianças consumam alimentos como salgadinhos, sanduíches, lanches do tipo fast food e biscoitos recheados ao invés de alimentos fontes de ômega 3.

DICA DA NUTRICIONISTA

Inclua na alimentação da garotada peixes de águas profundas, como salmão e atum ou os óleos de peixe, semente de linhaça e oleaginosas como nozes, amêndoas e castanhas, importantes fontes de ômegas 3.

Ácido fólico e vitaminas do complexo B são importantes e necessários para o sistema nervoso e  para a memória. Zinco e magnésio são minerais que ajudam no bom funcionamento do cérebro. Estudos acharam relação de níveis baixos desses minerais e déficit de atenção e hiperatividade infantil.

PARA LEMBRAR!

Os cereais integrais como o arroz, a aveia e a quinua são boas fontes de ácido fólico e magnésio, já as leguminosas como a lentilha, ervilha, soja e feijões são boas fontes de vitaminas do complexo B tem também zinco. As folhas verdes escuras como couve, agrião e rúcula também devem fazer parte do cardápio dos pequenos, podem aparecer junto com o arroz, em suflês e sucos.

Os probióticos são bactérias “benéficas” que colonizam o intestino, indispensáveis para uma boa digestão e absorção. De nada adianta consumir alimentos nutritivos, se as crianças não tiverem o intestino saudável. O consumo de alimentos gordurosos e açucarados podem provocar desequilíbrios na flora intestinal, diminuindo o aproveitamento dos nutrientes. Suplementos probióticos podem ser consumidos regularmente a fim de manter a flora intestinal saudável. Além dos probióticos é fundamental que os pequeninos consumam prebióticos, que servem de alimento para as bactérias intestinais.

DICA DA NUTRICIONISTA MUNDO VERDE

A farinha de banana verde é um excelente prebiótico e pode ser acrescentado em sucos, vitaminas, saladas de frutas ou pode ser utilizada no preparo de pães, bolos e cookies.

Pré adolescentes e adolescentes precisam de mais vitamina C, cálcio e ferro do que os adultos. Para a saúde da pele além de vitaminas e minerais é necessário mais água fibras e gorduras como o ômega 3, 6 e 9 e menos alimentos e bebidas processados e açucarados.

Uma dieta balanceada, com frutas, grãos integrais e óleos vegetais pode fornecer todos os nutrientes necessários para estes grupos. 

MAMÃE, PARA GARANTIR A SAÚDE DA GAROTADA…

Frutas, verduras e legumes – de preferencia orgânicas- devem fazer parte da alimentação diária, pois representem a principal fonte de nutrientes antioxidantes.

Durante as refeições a ingestão de bebidas deve ser controlada, pois a criança troca facilmente a refeição por sucos ou refrigerantes.

Não substitua as refeições por leite, mingaus ou iogurtes, é importante que as crianças comam comida. A ingestão frequente de leite e derivados aumenta o risco de uma resposta alérgica aos mesmos.

Permita que a criança participe das compras e preparo dos alimentos. Varie o cardápio, utilize a criatividade para elaborar pratos atrativos e sempre coloridos.

É muito importante controlar a ingestão de guloseimas como doces, balas, biscoitos recheados e frituras. Prefira lanches saudáveis como salada de frutas com granola, sucos de frutas, barras de cereal, balas de banana sem adição de açúcar, frutas liofilizadas e crocantes, cookies de cacau e até mesmo, um chocolate com pelo menos 60% de cacau.

Na hora da merenda opte por biscoitos integrais, frutas frescas ou secas ou barras de cereais.

A atividade física é muito importante para o desenvolvimento da criança, além de colaborar para o controle de peso. A prática de esportes como jogar futebol, andar de bicicleta devem ser incentivadas.

O tempo de permanência em frente da televisão, computador ou vídeo game devem ser controlados pois estimulam o sedentarismo e o hábito errado de beliscar guloseimas entre as refeições.

Fonte: Mundo Verde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *