Pré-natal garante uma gestação mais tranquila

Saiba quais exames devem ser realizados durante o pré-natal e por que as consultas periódicas ajudam a identificar problemas de saúde na mãe e no bebê

O termo pré-natal significa “antes do nascimento”. Isso demostra que os cuidados com o bebê devem começar durante a gestação, logo após a descoberta da gravidez. Esse acompanhamento permite identificar e reduzir muitos problemas de saúde que podem acometer a saúde da mãe e do seu bebê. Possíveis doenças e disfunções poderão ser detectadas e tratadas precocemente.

Caso a mulher desconfie sobre a gravidez, poderá procurar a Unidade Básica de Saúde (UBS) mais próxima da sua casa para fazer o teste-rápido de gravidez. O teste é feito na hora e o resultado fica pronto em alguns minutos. Caso o resultado seja positivo, a mulher já pode começar o pré-natal e se o resultado for negativo e a mulher desejar prevenir a gravidez, poderá ser orientada sobre os métodos contraceptivos disponíveis no Sistema Único de Saúde (SUS).

“O ideal é a realização de seis consultas durante o período gestacional e uma sétima no puerpério (depois do parto). Durante a realização dos exames de pré-natal a mulher saberá se ela é uma gestante de risco habitual ou de alto risco para o acompanhamento adequado”, explica a coordenadora da área técnica de Saúde da Mulher, Esther Vilela.

Os principais exames realizados durante o pré-natal são: sangue para anemia e outras questões; glicemia, para diabetes; urina, para infecção urinária; tipagem sanguínea, para saber se o sangue da mulher combina com o do pai do bebê; VDRL, para sífilis; alguns sorológicos, para HIV e Hepatite B; eletroforese hemoglobina, para rastrear a anemia falciforme; além da ultrassonografia. O companheiro da mulher também poderá realizar os exames, pois existem doenças, como a sífilis e o HIV, que podem ser adquiridas durante a gestação e transmitidas ao bebê.

REDE CEGONHA

No primeiro ano de funcionamento da estratégia Rede Cegonha, já foram realizadas mais de 20 milhões de consultas de pré-natal. A Rede Cegonha está qualificando e ampliando os serviços de saúde que atendem às mulheres e os bebês. Só para o componente pré-natal, já foram destinados mais de R$ 91 milhões que beneficiaram 3.710 municípios. Na última semana, foram destinados mais R$ 21 milhões para 1.163 municípios (veja aqui a portaria).

As gestantes atendidas no SUS deverão ser cadastradas no Sistema de Monitoramento e Avaliação do Pré-Natal, Parto, Puerpério e Criança (SisprenatalWEB) para ter todas as suas informações concentradas nesse sistema. Ele é o instrumento de monitoramento e avaliação da assistência prestada à gestante e aos recém-nascidos

No total, já foram destinados R$ 3,3 bilhões para execução das ações da Rede Cegonha. Mais de 4.800 municípios já aderiram à estratégia, com a previsão de atendimento de dois milhões de gestantes no país.

OUVIDORIA

Desde maio deste ano, que as mães atendidas pelo SUS estão sendo ouvida pela Ouvidoria da Rede Cegonha. As mulheres são procuradas para que possam avaliar os serviços prestados, desde a descoberta da gravidez até o parto, além do acompanhamento médico da criança até os dois anos. Desde o seu lançamento, a ouvidoria já entrevistou 52.944 mulheres que tiveram seus filhos entre novembro de 2011 e abril de 2012 na rede pública. A pesquisa, realizada por telefone, apresenta 38 perguntas sobre atenção à saúde da mulher no pré-natal, parto, pós-parto e saúde da criança e ainda seis questões relacionadas ao perfil como idade, estado civil, escolaridade e renda familiar.

Exames solicitados para acompanhamento pré-natal:

  • Grupo sanguíneo e fator Rh (quando não realizado anteriormente)
  • Sorologia para sífilis (VDRL)
  • Urina tipo I
  • Hemoglobina e hematócrito (Hb/Ht)
  • Glicemia de jejum
  • Teste anti-HIV com aconselhamento pré-teste e consentimento da mulher
  • Sorologia para hepatite B (HBsAg)
  • Sorologia para toxoplasmose
  • Colpocitologia oncótica, quando houver indicação

Com a Rede Cegonha, foram acrescidos os seguintes exames:

  • Teste rápido de gravidez
  • Teste rápido de sífilis
  • Teste rápido de HIV
  • Cultura de bactérias para identificação (urina)
  • Acréscimo de mais um exame de hematócrito, hemoglobina
  • Ampliação do ultrassom obstétrico para 100% das gestantes
  • Proteinúria (teste rápido)
  • Teste indireto de antiglobulina humana (TIA) para gestantes que apresentarem RH negativo

Exames adicionais para gestantes de alto-risco:

  • Contagem de plaquetas
  • Dosagem de proteínas (urina 24 horas)
  • Dosagens de uréia, creatinina e ácido úrico
  • Eletrocardiograma
  • Ultrassom obstétrico com Doppler
  • Cardiotocografia ante-parto

 

Fonte: Portal da Saúde

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *