14ª Expoepi: Especialistas falam sobre estratégias da Vigilância em Saúde para populações expostas a agrotóxicos

Nessa terça-feira (28), o 6ª painel de discussões da 14ª Mostra Nacional de Experiências Bem-Sucedidas em Epidemiologia, Prevenção e Controle de Doenças (Expoepi), abordou o tema vigilância em saúde de populações expostas a agrotóxicos. A mesa, coordenada pelo representante da Organização Pan Americana de Saúde (OPAS), Carlos Corvalan, também contou com a presença do coordenador do Departamento de Vigilância em Saúde Ambiental e Saúde do Trabalhador da Secretaria de Vigilância da Saúde (DSAST/SVS), Carlos Augusto Vaz, a Presidente do Conselho Nacional de Saúde(CNS), Maria do Socorro de Souza, além do Procurador Geral do Trabalho(PGT), Luís Antônio Camargo de Melo e dos representantes da Agência Nacional de Saúde (ANS), Pedro Luiz Serafim e Aline Gurgel.

O papel da vigilância em saúde de populações expostas a agrotóxicos e as ações e medidas adotadas para prevenção dos fatores de risco, foram temas ressaltados pelos membros da mesa.

Vigilância

O coordenador da DSAST/SVS, Carlos Vaz, falou sobre o papel da Vigilância em Saúde de Populações Expostas a Agrotóxicos (VSPEA), que atua em todo o território nacional e tem como objetivo desenvolver ações integradas de saúde, voltadas para a adoção de medidas de prevenção dos fatores de risco, promoção à saúde e vigilância em saúde das populações expostas, ou potencialmente expostas a agrotóxicos.

O Brasil se destacou em 2008 como o maior consumidor mundial de agrotóxicos. Em 2010, seu consumo representou 19% do mercado mundial. A taxa de crescimento do mercado brasileiro de agrotóxicos, entre 2000 e 2010, foi de 190%, contra 93% do mercado mundial..
De acordo com Carlos Vaz, a VSPEA evoluiu ao longo dos últimos três anos. Em 2012, com a publicação da portaria nº 2.938, que fundamentou o Seminário Estratégias para Implementação da VSPEA, além de destinar mais de R$ 22 milhões para ações na área, a inclusão da temática no Planejamento Estratégico 2012/2015.

Em 2013, a VSPEA foi implantada em 16 estados e foi realizada a primeira reunião para avaliação da implantação da Vigilância e o segundo seminário nacional. Em 2014, a Vigilância foi implantada em 23 estados e foi realizado o terceiro seminário sobre vigilância de populações expostas a agrotóxicos.

“As perspectivas para os próximos anos são de acompanhamento permanente da situação de saúde associada à exposição aos agrotóxicos, atuação integrada das vigilâncias por meio da consolidação da VSPEA e ainda Educação permanente em vigilância em saúde ambiental, sanitária, epidemiológica e de saúde do trabalhador”, finaliza Carlos Vaz.

Trabalho
O Coordenador Geral do Trabalho, Pedro Serafim, falo sobre o uso de agrotóxicos no Brasil. “O agrotóxico tem uso indiscriminado no Brasil, e por meio de controles legais essa realidade deve mudar, contando com o apoio do terceiro setor e dos órgãos públicos”, explicou.

A Presidente do Conselho Nacional de Saúde(CNS), Maria do Socorro de Souza, falou sobre o papel da Anvisa no contexto atual de agricultura familiar e o trabalho do Ministério da Saúde. “É necessário um olhar diferente da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e da Vigilância em Saúde para a agricultura familiar, que é uma das principais atividades geradoras de novas fontes de trabalho na América Latina. Além disso, é extremamente importante reconhecer a luta do Ministério da Saúde nas ações realizadas para melhorar a saúde da população expostas a agrotóxicos.”

Fonte: Lucas Santos/Facto Agência
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

13 + nove =