Posts

Nefrologista dá dicas sobre como manter o bom funcionamento dos rins

Corbis.com

Corbis.com

Os rins recebem cerca de 20% do sangue bombeado pelo coração. Todo esse fornecimento permite que ele realize uma série de atividades fundamentais para o bom funcionamento do nosso organismo. “O rim é responsável por regular a composição e a pressão sanguínea, remover resíduos (ureia, amônia, drogas, substâncias tóxicas), manter o volume adequado de água e o nível de cálcio do corpo. Além disso, eles conservam as concentrações contínuas de ácido, evitam a anemia e aumentam a produção de vitamina D”, explica a nefrologista, Amélia Trindade, do Ministério da Saúde.

Algumas das principais doenças que afetam os rins são: nefrite, infecção urinária, cálculo renal, obstrução urinária, insuficiência renal aguda, insuficiência renal crônica, tumores renais, doenças multissistêmicas, doenças congênitas e hereditárias e nefropatias tóxicas. “A insuficiência renal crônica (DRC) costuma ser uma doença muito silenciosa. Destrói as estruturas renais até chegar ao ponto de afetar diretamente no funcionamento do órgão. As enfermidades que normalmente levam à insuficiência renal crônica são a diabetes, sedentarismo e a hipertensão arterial sistêmica”, alerta a nefrologista.

Hábitos de vida saudáveis podem evitar tais complicações patológicas. “Manter uma dieta balanceada, o peso ideal, ter uma hidratação adequada e fazer atividades físicas. Todos esses cuidados são imprescindíveis no sentido de evitar a perda das funções renais, a ponto de chegar à necessidade do transplante”, alerta a médica.

Diabetes e pressão – “A incidência dessas duas doenças tem aumentado nos últimos anos, algo agravado pelo envelhecimento da população, além de sedentarismo e obesidade. A nossa cultura tem uma alimentação muito rica em sal e carboidratos, o que acentua o aumento dessas doenças. O ideal é reduzir o sal, manter uma alimentação equilibrada e manter uma hidratação adequada.”

De bem com a balança – “Os nossos rins têm uma programação para o peso e altura, por isso manter-se no peso ideal é fundamental para seguir com os rins em ótimo funcionamento. Indivíduos com o índice de massa corporal (IMC) nos parâmetros saudáveis ficam protegidos. Hoje em dia, existe uma epidemia mundial de obesidade. O excesso de peso leva à hipertensão e ao diabetes. Quando hábitos saudáveis são adquiridos, o risco de sofrer com um problema no rim é bem menor”, explica.

Alimentação equilibrada, rins a salvo – “Tomar cuidado com o excesso de gordura, sal, sódio e açúcar é fundamental. Ingerir alimentos ricos em vitaminas e fibras colabora para a manutenção adequada das funções renais. Se o indivíduo já tiver sofrido com a DRC, é provável que seja obrigado a fazer algumas mudanças em seu cardápio. Adotar uma dieta com menor quantidade de carboidratos, proteína e sal para evitar a sobrecarga renal”, orienta.

A hidratação – “Tomar muita água é fundamental. Muitas vezes, crianças e adolescentes substituem a água por refrigerantes e sucos artificiais, o que prejudica o órgão. Em regiões secas, é essencial manter uma hidratação adequada e uma alimentação leve e balanceada. Um adulto deve ingerir em média dois litros de água por dia, fora outros líquidos saudáveis como sucos e chás”, diz.

Apagar o cigarro – “Os rins são cheios de vasos sanguíneos. O cigarro, por conta de suas substâncias tóxicas, desencadeia uma série de inflamações que prejudicam o órgão. O tabaco é uma sujeira pesada e dificulta o bom funcionamento dos rins e tem um impacto maior na bexiga. O que facilita o aparecimento de tumores nas bexigas e nos rins”, finaliza.

Guia Alimentar para a População Brasileira – No Guia alimentar do Ministério da Saúde você encontra recomendações sobre como ter uma alimentação saudável. Ele avalia a qualidade da comida que vai à mesa das famílias brasileiras e passa informações simples e diretas sobre como essa dieta deve ser feita. O guia orienta para práticas alimentares que incentivam a promoção da saúde e a prevenção de doenças relacionadas à alimentação.

Fonte: Érica Santos / Comunicação Interna do Ministério da Saúde

Dicas para evitar pedras nos rins

Períodos de temperaturas mais elevadas podem significar mais do que apenas aumento da temperatura, da umidade e de atividades físicas ao ar livre. Pode significar também um maior risco de pedras nos rins, que afetam aproximadamente 3,8 milhões de pessoas nos EUA, com índices crescentes.

De acordo com o médico William Haley, nefrologista da Clínica de Pedra de Rim da Clínica Mayo, em Jacksonville, na Flórida, calor, umidade e falta de hidratação apropriada levam a uma prevalência maior de pedras nos rins.

“Durante meses mais quentes, há uma incidência maior de cálculo renal. A principal razão para isso está na quantidade de água que tomamos e usamos”, explica Dr. Haley. “Nossos corpos são compostos principalmente de água e nós a usamos regularmente. Mas no calor talvez não estejamos bebendo tanto quanto deveríamos, ou bebendo os tipos certos de fluidos, então, ficamos desidratados, o que pode ocasionar a produção de mais pedras”.

Pedras nos rins são pequenos e duros depósitos de minerais e sais ácidos que se formam quando a urina se torna concentrada. Os minerais se cristalizam e se agregam, formando assim uma pedra, cujo tamanho pode variar de um grão de areia a uma bola de golfe.

“Cálculos renais são realmente muito comuns – mais de 13% dos homens e de 6 a 7% das mulheres podem apresentar pedra no rim em algum momento de suas vidas — começando aos 20 anos e atingindo o pico em torno dos 50 anos”, disse Dr. Haley. “Uma vez que você tem uma pedra no rim, você está em risco de ter outra novamente”.

Dicas para evitar e lidar com pedras no rins

Hidratação é a chave. Beber mais água é essencial. A dieta também é muito importante para prevenir pedras. Alimentos ricos em oxalato, como castanha e certos vegetais, em combinação com uma dieta rica em proteína, sódio e açúcar, podem aumentar o cálcio nos rins e, consequentemente, aumentar o risco de pedras nos rins.

Cálculos renais podem não causar problemas até que se desloquem dentro do ureter que conecta o rim e a bexiga. Quando isso ocorre, a pedra pode provocar imensa dor conforme passa do trato urinário para a bexiga. Muitas pessoas também podem experimentar um conjunto de sintomas, incluindo náusea, vômito, sangue na urina ou febre. Se você apresentar algum desses sintomas, procure atendimento médicoimediatamente.

Fonte: PB Agora