Posts

Probióticos: saiba por que eles são vistos como a grande promessa da medicina para o futuro

 

Nunca ouviu falar em probióticos? Entenda melhor quem são e por que vale a pena incluí-los agora mesmo na sua vida.

 

1. Sofyl Uva Verde, Yakult, R$ 1,30
2. Activia sabor mamão e cereais, Danone, R$ 4 a embalagem com quatro unidades
3. Activia sabor aveia, Danone, R$ 4 a embalagem com quatro unidades
4. Actimel sabor laranja com acerola, Danone, R$ 4 a embalagem com quatro unidades
5. Cápsulas de probióticos manipuladas, Pharmacorum, R$ 140 o frasco com 60 cápsulas
6. Iogurte Molico TotalCálcio sabor ameixa, Nestlé, R$ 1,79
7. Polpa Molico TotalCálcio sabores morango e ameixa, Nestlé, R$ 4,25 a embalagem com seis unidades
8. Iogurte Desnatado com Polpa de Ameixa e Cereais, Ati Latte, R$ 1,30
9. Activia sabor 7 grãos, Danone, R$ 4 a embalagem com quatro unidades
(Foto: Carlos Cubi)
Preços pesquisados em abril de 2012, sujeitos a alteração. Confirme na loja antes de comprar.

No primeiro semestre de 2012, foi realizado na cidade de Evian, na França, o primeiro GUT Microbiota for Health, congresso mundial dedicado ao estudo da flora intestinal (ou microbiota) e da saúde do intestino. O evento é resultado do crescente número de pesquisas sobre a relação entre o órgão, chamado pelos médicos de “segundo cérebro”, e o bem-estar do organismo. “O intestino tem mais terminações nervosas do que o próprio cérebro. Além disso, o genoma da microbiota apresenta mais genes do que o do corpo humano inteiro, é muito complexo”, explica Flávio Quilici, professor titular de gastroenterologia e cirurgia digestiva da PUC-Campinas, em São Paulo, e presidente eleito da Sociedade Paulista de Gastroenterologia. Tanta atenção ao trato intestinal colocou sob os holofotes as superpoderosas bactérias que formam a flora intestinal: os probióticos. Esses micro-organismos aparecem em pesquisas sobre temas tão diversos quanto perda de peso, diminuição dos efeitos do HIV e até mesmo cura do câncer.

No intestino, eles se conectam uns aos outros, formando uma barreira que ajuda na absorção de nutrientes e no reforço do sistema imunológico, já que o órgão abriga cerca de 80% das células de defesa do corpo, experts em reconhecer e agir diante das bactérias. “Se forem do tipo benignas, caso dos probióticos, as células de defesa vão identificá-las e não ativarão a resposta agressiva para eliminá-las, diferentemente do que acontece diante de uma salmonela”, exemplifica a cirurgiã do aparelho digestivo Lúcia Oliveira, chefe do serviço de fisiologia anorretal da Policlínica Geral do Rio de Janeiro (PGRJ).

A origem

O primeiro registro científico que se tem dos probióticos é de 1908, quando o médico russo Ilya Mechnikov estudou uma população longeva que consumia diariamente grandes quantidades de leite fermentado – ele acreditava que esse era o segredo para os anos a mais de vida. Com o trabalho, ganhou o Prêmio Nobel de Medicina. Mas, somente em 2002, a Organização Mundial da Saúde (OMS) identificou os probióticos como organismos vivos que têm ação benéfica no corpo.

“Nosso corpo depende de 1 quatrilhão de bactérias para funcionar. Metade é do bem e o restante faz mal. É um equilíbrio delicado, que começa assim que você nasce”, diz Flávio Quilici. Segundo ele, o bebê, durante um parto normal, entra em contato com as bactérias boas da mãe e começa a construir a microbiota. Na cesárea, a criança não adquire esses micro-organismos. Portanto, a construção da microbiota acontece de maneira mais lenta, deixando o sistema imunológico enfraquecido.

Apesar de essas bactérias se reproduzirem constantemente, fatores como falta de sono, alimentação ruim, stress e até consumo de antibióticos representam uma ameaça ao poder da microbiota. Por isso, recomenda-se, inclusive para quem não está doente, ingerir com frequência alimentos e cápsulas que contenham probióticos. Leia mais