Posts

Mulheres são mais sensíveis a medicamentos que homens

Foto: Corbis.com

Foto: Corbis.com

Cientistas passaram a descobrir que mulheres são mais sensíveis e têm respostas colaterais mais adversas para vários medicamentos, a começar pelos remédios para dormir, como notificou recentemente a agência sanitária dos EUA, a Food and Drug Administration (FDA).

No caso em específico, foi relatado que um remédio para insônia, o Intermezzo, é metabolizado por homens mais rapidamente que em mulheres. O princípio ativo da droga é o zolpidem, usado em outros medicamentos de mesma finalidade, como o Ambien. Por causa da diferença de efeitos, a FDA reduziu pela metade a dose recomendada para o sexo feminino.

O Intermerzzo, como o nome sugere, é usado para pacientes que têm insônia na metade da noite e não precisam de uma droga que faça efeito para as oito horas de sono mas, sim, um meio termo. Estudos mostram que mulheres podem ter reações diferentes com tranquilizantes e também com uma gama medicamentos que pode variar de uma aspirina a anestesias.

“É apenas a ponta do iceberg. Há várias diferenças de reações entre homens e mulheres para vários medicamentos, algumas já conhecidas e outras nem tanto.” disse Janie Clayton, diretor do Escritório de saúde Feminina no Instituto Nacional de Saúde, nos EUA, para o jornal New York Times.

A reportagem no jornal americano conta que, até 1993, mulheres em idade fértil eram excluídas de testes de novos medicamentos. A restrição, que terminou este ano, causou uma lacuna na avaliação dos efeitos de remédios em mulheres. A ausência de estudos para esta faixa populacional colocou em xeque até os efeitos da aspirina em mulheres nas indicações para doenças coronarianas e derrames. Um estudo do Government Accountability Office, um equivalente ao Tribunal de Contas da União nos Estados Unidos, indicou que oito em cada 10 drogas retiradas do mercado entre 1997 e 2000 ofereciam mais riscos à saúde para mulheres que homens.

E não é só porque mulheres são menores que os homens. Elas metabolizam os medicamentos de forma diferente porque têm uma porcentagem maior de gordura no corpo e passam, todos os meses, por flutuações nas taxas de hormônios, como no ciclo menstrual. Outro exemplo é o Seldane, um anti-histamínico, e o medicamento para o trato gastrointestinal Propulsid, que dão mais chance a mulheres que homens de desencadear uma arritmia cardíaca fatal.

Mas as diferenças podem também pesar a favor da mulheres. Alguns remédios para pressão alta e antibióticos, como a eritromicina, parecem ser mais eficazes para o sexo feminino. Por outro lado, mulheres tendem a acordar do efeito de anestesia mais rapidamente que homens, além de serem elas as mais sensíveis para os efeitos colaterais, de acordo com a Sociedade para a Pesquisa da Saúde Feminina, também dos EUA.

 

Fonte: http://www.portaldoconsumidor.gov.br

Mulheres que param de fumar antes dos 30 ganham 10 anos a mais de vida

Pesquisa com 1 milhão de mulheres sugere que aquelas que abandonam o cigarro têm 97% menos risco de morte prematura. (Foto: Corbis.com)

Mulheres que abandonam o cigarro antes dos 30 anos de idade têm 97% menos risco de morte prematura por doenças causadas pelo vício, de acordo com pesquisa realizada na Universidade de Oxford, no Reino Unido.

O estudo revela que quanto mais tarde a mulher deixou de fumar, no entanto, menor é a taxa de reversão. Os resultados sugerem ainda que mulheres que param de fumar aos 30 anos ganham 10 anos a mais de vida.

Entre 1996 e 2001, a equipe do projeto Million Woman Study, reuniu 1,3 milhão de mulheres que tinham entre 50 e 65 anos na época do ingresso no estudo.

No início do projeto, 20% das mulheres fumavam, 28% tinham abandonado o cigarro e 52% não eram fumantes. Cada uma foi acompanhada por um período de 12 anos.

Análise realizada três anos após o início da pesquisa mostrou que as fumantes tinham quase três vezes mais chances de morrer nos nove anos seguintes comparadas às não fumantes.

Segundo os pesquisadores, isso significa que dois terços de todas as mortes de mulheres fumantes na casa dos 50 aos 70 anos são ocasionados por doenças relacionadas ao tabagismo, como câncer de pulmão, enfermidades pulmonares crônicas, doenças do coração ou derrame cerebral. Ao longo do levantamento, 66 mil participantes morreram.

Os resultados mostraram que as mulheres que abandonam o cigarro na meia idade ganham, em média, 10 anos a mais de vida.

A equipe ressalta que, as principais conclusões são que os riscos do tabagismo para mulheres são maiores do que os estudos anteriores sugeriram, mas também que parar de fumar tem benefícios maiores do que se pensava anteriormente.

Fonte: http://www.portaldoconsumidor.gov.br