Posts

Conselho Nacional dos Direitos do Idoso elege novos representantes

Foram eleitas nesta quarta-feira, em Brasília, 13, das 14 entidades da sociedade civil que integrarão o Conselho Nacional dos Direitos do Idoso na gestão 2012-2014. A eleição foi realizada nesta tarde, na sede da Secretaria de Direitos Humanos da Presidência da República (SDH/PR).

As entidades eleitas são: Confederação Nacional dos Trabalhadores da Agricultura (CONTAG); Conselho Federal de Serviço Social (CFESS); Associação dos Magistrados Brasileiros (AMB); Confederação Brasileira de Aposentados e Pensionistas (COBAP); Associação Nacional de Gerontologia (ANG); Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia (SBGG); Serviço Social do Comércio (SESC); Associação Nacional dos Defensores Públicos (ANADEP); Associação Nacional dos Membros do Ministério Público de Defesa dos Idosos e Pessoa com Deficiência (AMPID); Ordem dos Advogados do Brasil (OAB); Associação Brasileira de Alzheimer (ABRAZ); Movimento de Reintegração das Pessoas Atingidas pela Hanseníase (MORHAN); e Pastoral da Pessoa Idosa/CNBB (PPI).

A assembleia foi dirigida pela presidente da Comissão de Eleição do CNDI, Ediene Pereira Dias, e pela coordenadora-geral do CNDI, Ana Lúcia da Silva. A presidente do Conselho, Karla Cristina Giacomin, proferiu a cerimônia de abertura do evento. A ação das entidades será voltada as seguintes áreas: Organização de trabalhadores urbano e rural; Órgão fiscalizador do exercício profissional; Organização de aposentados; Organização da comunidade científica; Organizações de educação, ou lazer, ou cultura, ou esporte ou turismo; Organização de defesa de direitos; e Organizações de atendimento à pessoa idosa.

Será publicado um novo edital de convocação para o preenchimento da última vaga do conselho, do segmento organização de empregadores urbano e rural, tendo em vista a ausência de inscrição neste quesito.

Concorreram também as eleições o Sindicato Nacional dos Aposentados e Pensionistas da Força Sindical (SINDINAP); Conselho Federal de Educação Física (CONFEF); Sindicato Nacional dos Trabalhadores Aposentados e Pensionistas e Idosos (SINTAPI).

Fonte: ASSCOM da Secretaria de Direitos Humanos

Um em cada três idosos usa mais de dois medicamentos por dia, aponta estudo

Pesquisa avaliou 3 mil acima dos 60 anos. Em 83% dos casos, o medicamento tinha relação com o sistema cardiovascular.

Pesquisadores da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), da Universidade Federal de Viçosa (UFV) e da Escola Nacional de Saúde Pública (Ensp/Fiocruz) identificaram fatores associados ao uso de múltiplos remédios entre 3 mil idosos de mais de 60 anos beneficiários do INSS. Os resultados, publicados na revista Cadernos de Saúde Pública da Fiocruz, mostram que a prevalência de uso de medicamentos foi de 83% e os mais utilizados tinham relação com o sistema cardiovascular. A polifarmácia ocorreu em mais de um terço dos participantes e a média de utilização por pessoa ficou entre dois e cinco remédios.

A pesquisa apontou que 35,4% dos entrevistados utilizam diversos medicamentos (polifarmácia), sendo a incidência dessa prática ainda maior com a idade: no grupo de 60 a 69 anos, 28,3% dos idosos relataram o uso de mais de um remédio, enquanto entre os maiores de 70 anos, o percentual subiu para 42,7%.Outro resultado indicado pelo estudo foi que as mulheres utilizaram mais medicamentos que os homens. Segundo os pesquisadores, isso poderia se explicar pelo predomínio do sexo feminino em idades mais avançadas no país.

Eles também destacaram que a baixa escolaridade influi na compreensão e cumprimento da prescrição, uma vez que mais da metade dos participantes da pesquisa não tinha o primário completo. De acordo com os pesquisadores, o estudo evidencia a necessidade de aprimoramento da assistência farmacêutica para esse subgrupo da população.De acordo com o Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), nos últimos anos, a população idosa brasileira cresceu duas vezes mais que a população geral. A estimativa é que, em 2030, cerca de 19% do total de brasileiros estejam na terceira idade.