Posts

Saiba como o estrabismo pode ser corrigido

O estrabismo afeta o paralelismo entre os dois olhos

O estrabismo afeta o paralelismo entre os dois olhos

Estrabismo é um distúrbio que afeta o paralelismo entre os dois olhos, que apontam para direções diferentes. O desvio nos olhos pode ocorrer de vários modos (veja os tipos no box abaixo): para fora, para dentro ou vertical, quando um olho fica mais alto ou mais baixo que o outro.

Para enxergar bem, os olhos devem estar orientados para o mesmo ponto de fixação. Dessa maneira, o cérebro junta essas imagens captadas pelos dois olhos e as interpretam como uma só. A oftalmologista do Hospital Federal da Lagoa, no Rio de Janeiro, Roberli Bicharra, explica que os estrábicos enxergam com menor senso de profundidade, portanto, o cérebro só interpreta uma imagem porque ignora a imagem recebida pelo olho com problema.  “É comum que estrábicos acabem por inutilizar o olho mal posicionado, devido à dificuldade de visão, utilizando apenas o olho que não apresenta o problema”, diz a médica.

De acordo com a oftalmologista, no tratamento para o estrabismo é trabalhado o estímulo ocular. “O estrabismo pode ser corrigido com o uso de óculos, tampão, tratamento ortótico (fisioterapia) e cirurgia”, explica.

A dona de casa Maricelma Rodrigues, 46 anos, é estrábica desde o nascimento e já passou por situações constrangedoras em relação ao problema. Na adolescência sofreu com brincadeiras inadequadas. “Sempre me perguntavam se eu era vesga, se estava olhando para a pessoa ou a parede, entre outras coisas”, conta.

Depois de alguns anos, Maricelma procurou um médico que a indicou a fazer uma cirurgia. “Fiz exames e o oftalmologista me explicou que no meu caso o tratamento mais recomendado é a cirurgia. Ainda estou receosa, mas penso em fazê-la”, afirma a dona de casa.

Quando o estrabismo não é corrigido com óculos, é indicada a cirurgia. De acordo com a Portaria nº1.340 de 29 de junho de 2012, procedimentos de correção cirúrgica são realizados pelo Sistema Único de Saúde, desde que encaminhadas por médicos oftalmologistas.

box_estrabismo

Projeto Olhar Brasil

Projeto Olhar Brasil foi elaborado de forma conjunta pelo Ministério da Saúde e pelo Ministério da Educação em 2008, com o objetivo de trabalhar na identificação e na correção de problemas de visão em alunos matriculados na rede pública de ensino da Educação Básica, melhorando assim, o processo de ensino e aprendizagem. O Projeto e sua operacionalização são regulamentados pela Portaria SAS n°1.229 de 30 de outubro de 2012.

Olhar Brasil prioriza inicialmente o atendimento ao ensino fundamental, em crianças cadastradas na rede pública e na população com idade igual ou acima de 60 anos que está cadastrada em programas educacionais de Educação de Jovens e Adultos. O intuito é que com o projeto as taxas de evasão decorrentes de dificuldades visuais possam ser reduzidas, melhorando assim, a qualidade de vida dessas pessoas.

Fonte: Blog da Saúde/ Kathlen Amado

Estrabismo não tratado pode causar perda irreversível da visão

Tratamento com o uso do tampão deve ser feito até os 8 anos de idade. Se não for usado do jeito correto, a criança pode perder a visão em um olho. Saber identificar os sinais anormais na visão pode ajudar a diagnosticar problemas como o estrabismo, o ceratocone e o astigmatismo.
 

É importante acompanhar a saúde dos olhos para evitar complicações mais graves, como a cegueira. No caso do estrabismo, por exemplo, se não for tratado, pode causar perda irreversível da visão no olho estrábico. Por isso, é importante diagnosticar e tratar o quanto antes.

Para enxergar bem, os olhos devem estar orientados para o mesmo ponto de fixação. Dessa maneira, o cérebro junta essas imagens captadas pelos dois olhos e as interpretam como uma só. No caso do estrábico que enxerga com menor senso de profundidade, o cérebro só interpreta uma imagem porque “ignora” a imagem recebida pelo olho com problema. Por isso, é importante estimular esse olho usando o tampão no olho sem desvio.

O estrabismo pode aparecer por herança genética já no nascimento ou nos primeiros anos de vida. Um dos sinais que pode ajudar a identificar o estrabismo é se a pessoa não conseguir assistir aos filmes em 3D, como mostrou a pediatra Ana Escobar.

Os médicos indicam o uso do tampão no olho sadio durante a infância para estimular o olho estrábico. Mas existe um período de tempo para esse aprendizado funcionar, que vai dos primeiros meses de vida até os oito anos de idade. Após esse tempo, se o olho estrábico não tiver sido estimulado da maneira correta e recomendada pelo médico, a criança pode ficar cega de um dos olhos.

O tratamento bem feito com o tampão pode não colocar o olho de volta ao lugar, mas desenvolve a visão. Nesse contexto, o paciente pode fazer a cirurgia, mas apenas por questões estéticas. Em alguns casos, o problema é corrigido com o uso dos óculos e o olho se esforça para desviar e corrigir o grau. Mas, quando a pessoa tira os óculos, volta a ficar estrábica. Leia mais