Posts

Mulheres só receberão doação de óvulos até os 50 anos

ovulosBrasília – A partir de agora, mulheres que querem engravidar mas dependem da doação de óvulos só poderão receber o material genético até os 50 anos de idade. A regra começa a valer amanhã (9), quando a nova resolução do Conselho Federal de Medicina (CFM) sobre reprodução assistida será publicada no Diário Oficial da União. A resolução preenche a lacuna de não existir, no Brasil, uma legislação que regulamente a prática da reprodução assistida.

Antes não havia um limite de idade estabelecido. A regra é uma das novidades da terceira versão das normas que regulamentam o procedimento. A primeira norma foi estabelecida em  1992 e revisada, apenas uma vez, em 2010. A comissão de especialistas, que reúne ginecologistas e geneticistas, se debruçou nos últimos 12 meses para atualizar o documento a partir de experiências que vem sendo observadas pelos médicos.

“É comprovado que a idade reprodutiva da mulher é até os 45 anos. Elevamos para 48 anos e depois de uma discussão exaustiva chegamos aos 50 anos. A partir daí existem riscos para a mulher e para a criança”, explicou José Hiran Gallo, coordenador da Câmara Técnica de Reprodução Assistida do CFM. Após os 50 anos, aumentam os casos de hipertensão na gravidez e diabetes. A gestação nessa idade ainda pode provocar, para a criança, nascimento abaixo do peso e o parto pré-maturo.

Apesar da definição, os especialistas reconhecem que podem surgir casos em que a regra poderá ser flexionada. “Da mesma forma que, em alguns casos, o médico pode decidir não fazer o procedimento em mulheres mais novas, por considerar que não terão condições de gerar, ele pode também flexionar em casos de mulheres acima de 50 anos, se considerar que elas teriam condições de engravidar”, explicou Carlos Vital, vice-presidente do CFM.

A idade para doação do óvulo também ficou limitada nos casos de doação compartilhada, ou seja, quando uma mulher que está tentando engravidar doa parte dos seus óvulos para uma mulher mais velha, que não produz mais óvulos, em troca do custeio de parte do tratamento. Os médicos decidiram que a idade máxima para a doação é 35 anos para as mulheres e de 50 para homem que se dispõem a doar sêmen.

De acordo com o presidente da Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida (SBRA), Adelino Amaral, a qualidade dos óvulos doados até essa idade é maior e, com isso, as chances da receptora engravidar aumentam. “A partir dos 35 anos, a qualidade do óvulo diminui e o risco de doenças genéticas aumenta”, explicou.

O número de óvulos e embriões também vai considerar apenas a idade da mulher que está doando. Ou seja, a receptora pode receber até quatro oócitos (células germinativas femininas) e embriões transferidos, considerando que, mulheres com até 35 anos, recebem até dois embriões, as receptoras com idade entre 36 e 39 anos podem receber até três embriões e as mulheres entre 40 e 50 anos recebem o máximo permitido de até quatro embriões.

De acordo com especialistas na área, a probabilidade de uma mulher acima de 40 anos engravidar é quase 10%, enquanto que, até os 35 anos, as chances são superiores a 40%. Considerando esses cenários, a limitação reduz as chances da gestação múltipla, ou seja, de mais de um filho, o que poderia significar risco para mulheres mais velhas.

“Existe uma demanda muito grande de mulheres de mais de 45 anos ou mulheres mais jovens que não produzem óvulos. Tem mais de 5 mil mulheres aguardando um procedimento como a reprodução assistida, apenas no serviço público de saúde de Brasília”, disse Amaral.

O custo do procedimento completo varia entre R$ 15 mil e R$ 20 mil. No sistema público de saúde, o procedimento é feito em apenas cinco unidades da federação. Além do Distrito Federal, a reprodução é feita em hospitais públicos de Goiânia, Natal, Recife e em dois hospitais de São Paulo.

 De acordo com a SBRA, menos de 5% das fertilizações in vitro são feitas gratuitamente no país. “Tem algumas situações em clínicas que fazem hoje a doação compartilhada, em que a doadora não paga nada e a receptora decide pagar todo o tratamento”, disse. A receptora que arca com parte ou o total dos custos do tratamento assume o risco de não poder receber o material, caso a produção seja inferior.

Nos casos de doação compartilhada, as clínicas são obrigadas a guardar sigilo sobre a doadora, mas fornecem todos os tipos de informações como estatura, cor dos olhos e dos cabelos, peso, até a escolaridade da doadora, para tentar aproximar aparência física e compatibilidades como a de sangue, evitando problemas no futuro.

Fonte: http://agenciabrasil.ebc.com.br

Hemocentro da PB inicia campanha para doação de sangue no Carnaval

Começa nesta segunda-feira (21) campanha dedoação de sangue do Hemocentro (Foto: Corbis.com)

Começa nesta segunda-feira (21) campanha de
doação de sangue do Hemocentro
(Foto: Corbis.com)

Começa nesta segunda-feira (21) a campanha do Hemocentro da Paraíba para doação de sangue no período carnavalesco. Com o tema “Neste Carnaval Vista sua Fantasia de Salva-vidas. Doe sangue”, a campanha está prevista para acabar no dia 16 de fevereiro, segundo a assessoria de comunicação.

A diretora geral do Hemocentro, Sandra Sobreira, explicou que, nesta época do ano, o número de doações de sangue cai cerca de 50% porque  muitas pessoas viajam de férias. “Em contrapartida, neste período aumenta o número de acidentes e, consequentemente, a demanda de sangue nos hospitais. É preciso destacar também as pessoas com câncer, que fazem transfusões regularmente e que correm o risco de serem prejudicadas com a falta do produto”, disse.

[pullquote align=”left|center|right” textalign=”left|center|right” width=”30%”]Neste Carnaval Vista sua Fantasia de Salva-vidas. Doe sangue.[/pullquote]Ainda de acordo com a assessoria do Hemocentro, a Rede Hemocentro da Paraíba é responsável por atender 40 hospitais, cobrindo 100% dos leitos do Sistema Único de Saúde (SUS) e mais os leitos de planos de saúde cadastrados.

Para tanto, é composta por uma rede de dez hemonúcleos distribuídos nos municípios de Guarabira, Picuí, Monteiro, Princesa Isabel, Patos, Piancó, Itaporanga, Cajazeiras, Sousa e Catolé do Rocha, além de um regional em Campina Grande.

A hemorrede recebe em média sete mil doações de sangue por mês, o que é suficiente para atender a demanda dos hospitais públicos e privados.

De acordo com a chefe do Núcleo de Ações Estratégicas do Hemocentro, Divane Cabral, a campanha vai atingir toda a hemorrede e tem com principal objetivo conclamar os doadores e as pessoas que visitam o Estado a exercer a sua cidadania e solidariedade, doando seu sangue, para que o Hemocentro possa manter o estoque regular.

Condições para doar sangue

  • Ter idade entre 16 e 67 anos, 11 meses e 29 dias (se for menor de 18 anos é necessário autorização do responsável legal);
  • pesar acima de 50 quilos;
  • ter dormido normalmente nas últimas 24 horas;
  • estar alimentado, dando intervalo de 2 horas após o almoço;
  • evitar alimentos gordurosos na véspera e no dia da doação;
  • não ter tido hepatite após os 11 anos de idade;
  • não estar gripado, resfriado, com febre ou diarreia;
  • não ter ingerido bebida alcoólica nas últimas 12 horas;
  • não ter comportamento de risco para doenças sexualmente transmissíveis;
  • não estar grávida ou em período de amamentação. A menstruação e o uso de pílulas anticoncepcionais não impedem a doação;
  • respeitar o intervalo entre as doações que devem ser de dois meses para os homens e de três meses para as mulheres.
Fonte: G1 Paraíba

Termos de Doação – Detector Fetal – Rede Cegonha

Preliminarmente, informamos que o material ao qual se refere o Termo de Doação ainda não foi entregue neste Estado, portanto ainda não poderemos liberar a sua retirada.

De qualquer maneira, encaminhamos as informações necessárias para o seu preenchimento. Favor entrar em contato, previamente, pelos telefones: 3612-3402 / 3403 / 3405 ou pelo e-mail: diconpb@saude.gov.br.

 


Segue abaixo dados do Núcleo Estadual do Ministério da Saúde na Paraíba, para inserção no Termo de Doação referente à doação de Monitor Fetal do programa “Rede Cegonha”. O termo deverá ser impresso em 03 (três) vias, todas as vias rubricadas e assinadas pelo gestor municipal (Prefeito Constitucional), acompanhada de uma cópia da ata de posse ou documento equivalente.

Alertamos que o material só poderá ser retirado, mediante a entrega das 03 (três) vias do Termo de Doação assinadas pelo Gestor Municipal. O material poderá ser entregue a representante do Município, devidamente identificado, com a apresentação de cópia da carteira de identidade (RG).

 Segue abaixo os dados do NEMS/PB, destacados em vermelho para alteração no Termo de Doação:

Pelo presente instrumento, a União, por intermédio do Ministério da Saúde, pela Divisão de Convênios e Gestão do Núcleo Estadual da Paraíba com sede na Avenida Desembargador Souto Maior, 244 – Centro, João Pessoa, Paraíba, inscrita no CNPJ sob nº. 00.394.544/0188-07, ora designado DOADOR, neste ato representado pelo Sr. ANTONIO GUALBERTO VIANA CHIANCA, conforme delegação de competência conferida pela Portaria Conjunta n° 04 de 09/11/2011 e publicada no D.O.U. de 21 de dezembro de 2011 inscrito no CPF/MF sob n.º 347.281.397-00, portador do Registro Geral n.º 136431 – SSP/PB, residente e domiciliado nesta Capital e de outro lado, a(o) PREFEITURA MUNICIPAL DE XXXXXXXXXX, ………………..

  Atenciosamente,

 Ingrid Queiroz Sousa

Agente Administrativo

Av. Des. Souto Maior, 244 – Centro
João Pessoa/PB – CEP: 58.013-190
Fone: (83) 3612-3402/ Fax (83) 3612-3404