Exercício elimina células velhas e fortifica sistema imune contra o câncer

Prática de atividade física após o tratamento quimioterápico remodela células T imunes e ajuda a proteger contra a doença futura.

 

Atividade física torna células T mais sensíveis em pacientes semanas após o fim da quimioterapia e fortifica resposta contra cânceres futuros.
(Foto: Corbis.com)

Pesquisadores do University of Nebraska Medical Center, nos EUA, descobriram que a prática de exercício após o tratamento quimioterápico pode fortificar o sistema imunológico contra cânceres futuros.

A pesquisa sugere que a atividade física torna as células T mais sensíveis em pacientes semanas após o fim da quimioterapia.

A descoberta pode ajudar a explicar por que o exercício pode reduzir significativamente as chances de cânceres secundários em sobreviventes ou reduzir as chances de câncer por completo em pessoas que nunca tiveram a doença.

Laura Bilek e seus colegas analisaram células T no sangue dos sobreviventes de câncer antes e depois um programa de exercício de 12 semanas.

Eles descobriram que uma parcela significativa dessas células imunes se converteu de uma forma senescente, que não é tão eficaz no combate à doença, para uma forma pronta para combater câncer e infecções.

Baseados em estudos anteriores que mostraram uma associação entre o exercício e um menor risco de câncer, os pesquisadores decidiram investigar como o exercício afeta o sistema imunológico de pacientes com câncer.

Trabalhando com um grupo de 16 sobreviventes de câncer, os investigadores se centraram nas células T, tipo de célula imune que ataca uma variedade de agentes infecciosos, bem como as células cancerosas.

Após a quimioterapia, pesquisas anteriores haviam demonstrado que a maioria das células T tornam-se senescentes, com uma redução da capacidade de combater infecções e cânceres.

No entanto, a reconstrução da resposta dessas células é fundamental para recuperar a função imunológica normal e a habilidade anticâncer.

Os pesquisadores primeiro retiraram amostras de sangue de cada um dos voluntários para examinar quantas células T senescentes e quantas células T ativas cada um tinha.

Em seguida, todos os participantes do estudo foram matriculados em programas de 12 semanas de exercícios. Todos os programas foram individualizados para os participantes do estudo, incorporando elementos de exercício cardiovascular, treinamento de força e resistência, e exercícios de flexibilidade, postura e equilíbrio, com ênfase em áreas onde os participantes eram fracos.

Após o programa de 12 semanas, os pesquisadores recolheram uma segunda amostra de sangue de cada voluntário e analisaram a mesma célula T.

Os resultados mostraram que a proporção de células T senescentes e ativas mudaram favoravelmente na maioria dos participantes, com a maioria dos sujeitos do estudo recuperando um maior número da variedade ativa.

“O que estamos sugerindo é que com o exercício, você pode se livrar de células T que não são úteis e abre espaço para as células T que podem ser úteis na prevenção da doença”, afirma Bilek.

A equipe ressalta que a descoberta destaca a importância do exercício para todos, incluindo aqueles com câncer e sobreviventes de câncer.

“Há uma longa lista de benefícios positivos do exercício. Se o exercício de fato fortalece o sistema imunológico e, potencialmente, melhora a vigilância do câncer, devemos educar mais os pacientes sobre mudanças no estilo de vida”, conclui Bilek.

Fonte: R7.com
0 respostas

Deixe uma resposta

Want to join the discussion?
Feel free to contribute!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *