Brasil inicia distribuição de remédio para Alzheimer fabricado no país

O laboratório do Instituto Vital Brazil (IVB), localizado em Niterói, na região metropolitana da capital fluminense, entregou hoje (29) às secretarias estaduais de Saúde os primeiros lotes de rivastigmina, medicamento destinado ao tratamento dos portadores de Alzheimer. A fórmula foi desenvolvida nacionalmente após a patente do proprietário original ter expirado.

Estão sendo entregues quatro toneladas do remédio, que serão distribuídas gratuitamente. A quantidade é capaz de atender ao total da demanda do país. De acordo com dados da Associação Brasileira de Alzheimer (Abraz), cerca de 6% dos 15 milhões de pessoas com mais de 60 anos sofrem com a doença.

O vice-presidente do IVB, Bernardo Horta, disse que o projeto é fruto de uma nova política de governo federal que, por meio de legislações específicas, incentivou a produção nacional da rivastigmina, fortalecendo o campo da saúde através de uma parceria público-privada.

De acordo com Horta, o processo de produção teve início há dois anos, quando o IVB constituiu uma parceria que envolvia o laboratório Laborvida, do Rio de Janeiro, e o laboratório EMS, de São Paulo, o maior produtor do país no campo dos medicamentos genéricos.

“Foi necessária muita pesquisa para desenvolver a formulação do medicamento. Um laboratório multinacional detinha a sua patente, que foi posteriormente expirada. Isso propiciou o processo de desenvolvimento da formulação do medicamento. A partir daí, resultou o registro na Anvisa, e foi então iniciada a sua produção”, disse Horta.

Segundo o vice-presidente, o remédio deve estar disponível a partir de julho, e será entregue trimestralmente. O Ministério da Saúde será o responsável pela distribuição nacional gratuita do medicamento, por intermédio do Sistema Único de Saúde (SUS).

“O medicamento vai ser distribuído hoje a todos os almoxarifados de todas as secretarias de todos os estados da Federação. Haverá ainda uma destinação ao almoxarifado do ministério em Brasília, [para formação] do chamado estoque estratégico, ou seja, se faltar esse medicamento em algum local, por acréscimo de demanda, vai existir umquantum que poderá ser encaminhado”.

O Alzheimer é uma doença degenerativa, caracterizada pela perturbação das funções cognitivas, e é ainda incurável e progressiva, levando à morte. Esses sintomas muitas vezes são acompanhados pela deterioração do comportamento social, da motivação e do controle emocional.

Para a distribuição dos lotes, o Instituto Vital Brazil firmou com o Ministério da Saúde contrato de cinco anos, com o compromisso de atender toda a demanda nacional necessária. O medicamento a ser entregue possui formulações que variam de 1,5 mg a 6 mg, em embalagens de 15 cápsulas cada.

 
Fonte: www.agenciabrasil.ebc.com.br

Início do inverno causa alerta para cuidados com a saúde

O Ministério da Saúde reforçou, por meio de nota técnica, os cuidados que a população precisa ter com a síndrome gripal, em decorrência da chegada do inverno, estação mais fria do ano, que começa nesta quinta-feira (22). Esta é a época em que as doenças respiratórias mais se proliferam e se intensifica a circulação dos vários subtipos do vírus da gripe. A situação também exige atenção redobrada para as medidas de vigilância epidemiológica e de assistência apropriadas, principalmente na região Sul, onde o inverno costuma ser mais rigoroso. O comunicado trouxe o alerta para os profissionais de saúde de todo o país e orienta a utilização do novo Protocolo de Tratamento da Influenza, que foi revisado no ano passado pelo Ministério da Saúde.

MS alerta sobre condutas frente a casos de gripe.

O protocolo tem como objetivo atualizar os profissionais de saúde com as medidas adequadas para reduzir a transmissão e evitar os casos graves pelo subtipo A/H1N1 2009. A ideia é esclarecer e destacar as recomendações do Ministério da Saúde em relação aos procedimentos que devem ser adotados em caso de suspeita de casos da gripe A/H1N1. O protocolo traz a orientação sobre o acesso rápido ao antiviral oseltamivir, medicamento usado no tratamento da gripe e que ajuda a reduzir as complicações e, até mesmo, os óbitos pela doença.

O diretor do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis do Ministério da Saúde, Cláudio Maierovitch, reforça a orientação do Ministério da Saúde para que os médicos prescrevam o medicamento, quando a pessoa apresentar o sintoma da síndrome gripal, independentemente de resultados de exames laboratoriais ou sinais de agravamento. “Todas as pessoas que apresentarem a síndrome gripal e que fazem parte dosgrupos mais vulneráveis paracomplicações – como as gestantes, crianças pequenas, os idosos e portadores de doençascrônicas – devem iniciar o tratamento”, observa Maierovitch. Os sintomas são surgimento simultâneo de febre, tosse ou dor na garganta, cefaleia (dor de cabeça) ou mialgia (dor nos músculos) ou artralgia (dor nas articulações). Leia mais

Brasil compartilha avanços em Atenção Básica

Em Genebra, governo brasileiro apresentou o sucesso do programa brasileiro Saúde da Família. China e Índia, que também integram os Brics, mostraram seus avanços na área da saúde.
O secretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Jarbas Barbosa, apresentou nesta quarta-feira as experiências do Brasil na gestão da Atenção Básica. A palestra foi realizada no terceiro dia da 65ª Assembleia Mundial da Saúde promovida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), e expôs o modelo brasileiro de assistência ativa por meio das Equipes de Saúde da Família (ESF). Na ocasião, China e Índia – países que integram o bloco dos Brics juntamente com Brasil, Rússia e África do Sul – também apresentaram seus progressos na área de assistência, com destaque para o acesso da população rural.
O secretário destacou os resultados positivos da adoção de um modelo ativo de atenção em que o sistema de saúde vai ao usuário. “Estudos mostraram que essa forma de acesso à atenção primária tem melhores resultados do que a forma mais tradicional de assistência – observou-se, por exemplo, a redução da mortalidade infantil e da hospitalização por doenças cardiovasculares e respiratórias”, pontuou Jarbas Barbosa. Leia mais